O Islão na Cultura Portuguesa

Quer pela presença muçulmana na Península Ibérica outrora chamada al-Andalus (711-1492), quer pela relevância do património cultural islâmico em Portugal, quer ainda pela fecundidade crítica da representação e presença do Islão nos autores portugueses, o Islão emerge como um rico e complexo campo de estudos na cultura lusa, em várias vertentes da mesma e com diversos níveis de análise.

O Islão na cultura portuguesa: literatura e pensamento

islao literatura pensamento portuguesExistem linhas comparativas, de diálogo e confronto, que mostram um património bibliográfico e intelectual merecedor de destaque, sobretudo pela fecundidade e pela relevância crítica das questões que emergem nas obras dos autores portugueses, de Camões, a Pascoaes e Pessoa, a Agostinho da Silva, entre muitos outros que aborda(ra)m o Islão nas suas obras.  No que respeita, por exemplo, aos autores ativos no período cultural que vai do Romantismo ao Modernismo, e que é crucial para compreender os caminhos da cultura portuguesa contemporânea, emergem as seguintes questões: o papel do Islão na cultura portuguesa e na identidade nacional; a revisitação e representação do al-Andalus assim como do chamado Oriente islâmico; questões específicas da religião e do pensamento islâmico.

O Islão em Fernando Pessoa

livro fernando pessoa islao

Surgindo muito cedo na escrita filosófica do adolescente Pessoa e caraterizando uma parte da produção filosófica do autor fictício António Mora, os temas árabes e islâmicos foram abordados por Fernando Pessoa ortónimo, durante a idade adulta, em vários momentos e áreas do seu pensamento e da sua obra. Pessoa refletiu e escreveu acerca do Islão, da filosofia islâmica, da cultura científica na civilização islâmica, das literaturas árabe (al-Mu’tamid) e persa (Omar Khayyam), das mentalidades e culturas dos povos islâmicos, da presença islâmica na Península Ibérica medieval bem como do Islão na cultura portuguesa. Todas estas vertentes têm sido estudadas em pormenor por Fabrizio Boscaglia, a partir de 2010, na sua tese de doutoramento defendida em 2015 na Universidade de Lisboa, assim como em livros e estudos científicos, muitos deles apresentados em Congressos internacionais.

Património Islâmico em Portugal

Coordenado por Fabrizio Boscaglia, o projeto Património Islâmico em Portugal é realizado pela Área de Ciência das Religiões da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias (ULHT), em colaboração com a Biblioteca Nacional de Portugal, o ARTIS da Universidade de Lisboa e outras instituições. Trata-se de um levantamento do património islâmico, tanto material, como imaterial, incluindo o património de “influência” ou “inspiração” islâmica, apresentado de modo sistematizado, através de fichas descritivas multimédias. Desde os tempos do Ġarb al-Andalus (‘ocidente do al-Andalus’), passando pelos primeiros séculos do Reino de Portugal (até à expulsão de muçulmanos e judeus em 1496), até à Contemporaneidade, o património islâmico em Portugal constitui – dada a sua relevância material e cultural – um campo de estudo riquíssimo (v. vídeo da CM de Palmela, como exemplo entre muitos), além de uma área de investigação cada vez mais estratégica para se compreender, tanto o Islão na cultura portuguesa, como a atualidade do século XXI. O mencionado projeto faz parte das atividades da Linha de Investigação em Herança e Epiritualidade Islâmica, coordenada por Fabrizio Boscaglia na ULHT.

Anúncios